“Se você é do tipo de pessoa que, assim como eu, adora o Brasil, apesar de todos os seus problemas, pode então ter certeza que iria amar a Austrália. Por um motivo muito simples: é o Brasil que deu certo”

É o Brasil cuja riqueza é distribuída de maneira proporcional entre os seus residentes. É o Brasil onde os impostos pagos pela população são efetivamente destinados à educação, segurança e saúde, tudo, de altíssima qualidade. É o Brasil onde o povo é tão divertido quanto os brasileiros, mas que consegue ser educado em todos os aspectos: social, ambiental e cultural.

Às vezes me pergunto o motivo de não ter nascido lá; talvez porque nessa vida eu tinha que perceber o que é viver em um país quase perfeito, para então saber valorizar o país perfeito (pelo menos, para mim).

Discussões elouquentes à parte, posso dizer que sou uma pessoa que teve o privilégio de conhecer os quatro cantos da Austrália, através de duas ocasiões diferentes: uma de mochilão, com a minha melhor amiga, Maria, e outra acompanhada do meu namorado, Vitor, num estilo mais “upgrade” que a da ocasião anterior, eu diria. As duas viagens foram maravilhosas, cada uma com as suas características peculiares, mas a segunda foi mais especial: primeiro, porque, na opinião de uma romântica convicta, é muito melhor viajar ao lado da pessoa que se ama; segundo, porque foi com ele que tive a oportunidade de conhecer a cidade australiana que mais me encantou: Brisbane.

PRAZERES

Você gosta de cultura? Moda? Arquitetura? Badalação? Diversão? Contato com a natureza? Praias lindas? Isso é Brisbane. Não que exista tudo isso junto dentro da própria cidade de Brisbane, mas pode ter certeza que somando Brisbane aos seus arredores, é possível ter contato com tudo isso e mais um pouco.

Ficamos no Hotel The Marque (que é um tipo de Hotel Ibis mais sofisticado e muito bem localizado) no centro da cidade de Brisbane, o qual, se traduz, em suma, a um não tão grande retângulo, onde as extremidades são cercadas de shoppings de rua, do Rio Brisbane, do seu respectivo jardim botânico e das principais vias de acesso ao local.  Nada que um “Sightseeing Tour” de ônibus, de quatros horas de duração, não o permita conhecer todos esses pontos turísticos na íntegra.

Além disso, tais passeios nos levam para outros cantos bem legais como o Kangaroo’s Point, que é um mirante fincado em cima de uma das famosas falésias australianas, o qual proporciona a vista mais panorâmica e incrível da cidade;  e South Bank, que é, nada mais, nada menos, que um bairro super-hiper luxuoso onde foi construída uma praia artificial estilo resort, localizada do outro lado da Victoria Bridge, principal ponte da cidade a qual liga o Centro a outras regiões de Brisbane, tal como South Bank.

PAUSA PARA SOUTH BANK

Imagine um local como Ipanema, bem limpa, sem sequer ter um papel jogado no chão, onde todos os prédios são baixos e sem grades, a arquitetura extremamente moderna,  e no seu entorno existem inúmeros restaurantes e barzinhos localizados em frente dessa praia que é artificial, porém, linda, pois a areia é branquinha e a cor da água bem azul. E tudo isso, de graça? Ou seja, só para deixar bem claro: imagine poder freqüentar no Brasil um local que não deixa nada a desejar à parte aquática e acomodações (ao ar livre) do Club Med, gratuitamente, bem ao lado do Centro da cidade? É nesse exato momento que você realiza que um empreendimento dessa categoria sem a devida fiscalização e “sem cobrar nada pela entrada”, não daria certo de maneira organizada e civilizada no nosso País (infelizmente).

Já no Centro de Brisbane é possível passear pelas suas correspondentes vias de pedestres e notar as obras de arte espalhadas pela cidade e que a população, quase que em sua maioria, é de jovens. Não é à toa que existem muitos barzinhos, restaurantes e lojas de roupas concentrados em suas imediações. Dica de shopping bem bacana: David Jones (é uma rede sofisticadíssima da Austrália, onde só existem as melhores marcas do mundo, desde Salvatore Ferragano a Miu Miu, Chanel etc.).

VIDA NOTURNA

A vida noturna em Brisbane se resume ao seguinte bairro: “The Valley”. São tantas boates e pubs juntos, que você lavaria ao menos duas semanas para conhecer tudo que esse local boêmio tem para oferecer. Não se paga nada para entrar, mas em alguns deles, a “hostess” tem que simplesmente “ir com a sua cara” para deixá-lo ter acesso ao interior do recinto.

Recomendações importantes:Sempre levar o passaporte, pois é imprescindível a apresentação do mesmo para entrar;  e, sair de sapato e camisa social, pois em certos lugares não é permitida a entrada de pessoa usando tênis ou camisa pólo e/ou de malha.

Dicas de boates inesquecíveis e deslumbrantes: The Met e Über Club (onde toca house music e hip hop muito bem selecionados).

Dica de bebidas: Todas as cervejas. Australiano legítimo só bebe cerveja!

SAINDO DE BRISBANE, MAS NÃO TÃO LONGE DALI, EXISTEM QUATRO LUGARES FANTÁSTICOS QUE VALEM UMA VISITA:

SPRINGBROOK NATIONAL PARK

É uma reserva florestal onde você tem a oportunidade de passear no meio de uma floresta tropical, tomar conhecimento de toda a fauna e flora australiana, e apreciar uma das mais belas visões que já teve: uma cachoeira que passa naturalmente por dentro de uma caverna (“The Natural’s Arch”). Nesse passeio, o ônibus da excursão (que não tende a variar muito de roteiro) costuma passar no meio da zona rural australiana e é possível parar nos mercadinhos locais e comprar lembranças e apreciar as frutar típicas da região, como a exótica “dragon fruit”.

AUSTRÁLIA ZOO

Certamente deve ser o melhor zoológico em termos de infra-estrutura de todos os tempos. Pelo menos, é o maior da Austrália, segundo os australianos. O que diferencia esse dos outros é que não existem grades nos locais onde os animais ficam, e sim vidros, como se fossem vitrines, que cercam os animais que são considerados potencialmente perigosos, como os tigres e jacarés. Alguns não tão agressivos, ficam parcialmente presos, como é o caso dos wombats (bichinho típico que parece um ursinho pardo pequeno) e só existe uma cerca bem baixinha  ao redor do habitat criado para os mesmos, e o restante dos outros bichos ficam totalmente soltos, como acontece no “Kangaroo’s Heaven”, onde é possível alimentá-los com uma ração própria, e ter contato físico com os mesmos.  Outro ponto que diferencia esse zoo dos que existem por aí, é que as pessoas podem tirar fotos  segurando pítons, cacatuas ou koalas, e ainda por cima dar comida aos elefantes (que ficam soltos em horários programados, passeando em fila indiana pelo zoo. Muito fofo!). Certamente trata-se de uma experiência única!

BYRON BAY

Ir para esse local mágico é praticamente uma viagem ao passado. Mais especificamente, aos anos 60. Byron é basicamente uma comunidade hippie convivendo pacificamente em pleno século 21. É uma cidadezinha extremamente bucólica também conhecida pelo seu majestoso farol, e por possuir uma praia que é uma das preferidas dos surfistas.  De tão calmo o clima desse local, pode ser resumido na frase mais usada e conhecida na Austrália: “No worries, mate!”.

SURFER’S PARADISE

Essa cidade simplesmente é o máximo! Localizada em plena Gold Coast, Surfer’s é uma mistura entre Miami Beach e Rodeo Drive. A praia de lá também é uma das mais procuradas pelos surfistas, mas o centro de Surfer’s não deixa nada a desejar para Bervely Hills, pois esse clima praiano estilo Miami, coexiste tranqüilamente com todo o luxo das boutiques Gucci, Louis Vuitton e afins. Um passeio bem legal é o tal do “Aquaduck”, onde você pega um ônibus que vira barco e além de conhecer a cidade como um todo, é possível ver todas as mansões e iates milionários da região. Para se ter uma idéia de como o povo de Surfer’s é próspero, lá é a sede do único hotel de seis estrelas da Austrália – o Palazzo Versace Hotel.

BY RENATA PERDIGÃO

Renata é formada em Direito pela Universidade Cândido Mendes (Centro), pós-graduada pela Fundação Getúlio Vargas – FGV em Direito da Economia e da Empresa, e atua há dez anos como advogada de empresa na área de óleo e gás. Já residiu por nove anos no exterior e entende que um dos melhores investimentos da vida é poder viajar, principalmente para lugares exóticos.